ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

Duração: 10 períodos
Turno: Noturno
Número de vagas: 40
Carga Horária: 3.600 h/a
Renovação de Reconhecimento: Portaria MEC nº 1091 de 24 de dezembro de 2015 O curso de engenharia de produção do UNIFEG; atendendo às legislações e normas pertinentes das entidades competentes, como o Ministério da Educação e Cultura (MEC); os Conselhos Federal e Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CONFEA/CREA) e a Associação Brasileira de Engenharia de Produção (ABEPRO); está alinhado ao PDI (Plano de Desenvolvimento Institucional) e ao PPI (Projeto Pedagógico Institucional). O curso é voltado a profissionais e estudantes com o ensino médio completo que objetivam desenvolver habilidades e competências gerais de um engenheiro, e também as específicas, relacionadas as subáreas de conhecimento da engenharia de produção: engenharia de operações e processos da produção; logística; pesquisa operacional; engenharia da qualidade; engenharia do produto; engenharia organizacional; engenharia econômica; engenharia do trabalho; engenharia da sustentabilidade e educação em engenharia de produção .

· Objetivos do Curso
· Estrutura do Curso
· Mercado de Trabalho
· Perfil do Profissional

· Course Objectives

O objetivo principal é desenvolver um conjunto de habilidades, competências e conhecimento e garantir o domínio dos conteúdos que se articulam para a formação do profissional de Engenharia de Produção, proporcionando aos profissionais capacidades de analisar, avaliar, projetar, otimizar e resolver problemas em sistemas integrados por pessoas, materiais e equipamentos, de forma eficiente, com ética e responsabilidade social.

· Estrutura do Curso

O curso de engenharia de produção do Unifeg possui uma carga horária total de 3.600 horas, trabalhadas em um período mínimo de cinco anos, distribuídas em três núcleos de disciplinas: Básicas; Profissionalizantes e Específicas. Aulas em laboratórios de Algoritmos de Programação, Química, Física, Ergonomia, Simulação Computacional e Práticas de Processos Produtivos complementam as teorias passadas em sala de aula. Atividades extraclasses, como estágio supervisionado e atividades complementares, são exigências para uma formação mais adequada a complexidade da vida profissional do engenheiro de produção. Além disso, os alunos têm a possibilidade de desenvolver atividades extensionistas por meio do Grupo de Assessoria Empresarial do curso de Engenharia de Produção e Qualidade (AEPRO). Os principais objetivos do Grupo AEPRO são: (1) Desenvolver um relacionamento colaborativo entre os membros do curso de Engenharia de Produção e Qualidade, as empresas locais e os órgãos de governança locais (SEBRAE e sindicatos industriais); (2) Contribuir para a qualificação da mão de obra local e para a formação de agentes de inovação, estimulando assim o desenvolvimento econômico regional; (3) Capacitar os alunos do curso de Engenharia de Produção e Qualidade para a realização de trabalhos técnicos de assessoria e consultoria empresarial, aprimorando competências relacionadas ao diagnóstico empresarial, à implantação e à avaliação de ações de melhoria nas áreas de gestão da qualidade, gestão produção, ergonomia e gestão ambiental. Diante da importância das técnicas de modelagem e simulação para a área de Engenharia de Produção, e da vastíssima aplicabilidade destas, o curso também conta com o grupo de Modelagem Matemática Aplicada à Engenharia de Produção (MAPRO). As atividades do MAPRO estão diretamente voltadas para a pesquisa científica e para a preparação dos alunos para o ingresso em Programas de Pós Graduação. O grupo MAPRO tem 5 linhas principais de atuação, sendo elas: tomada de decisão multiatributo, programação matemática, inteligência computacional, simulação dinâmica e aplicações de estatística e planejamento de experimentos. Os principais objetivos do grupo são: (1) Estimular os alunos do grupo ao aperfeiçoamento na área de modelagem matemática e computacional; (2) Preparar os alunos do grupo para o ingresso em Programas de Pós Graduação; (3) Promover a integração entre pesquisas quantitativas realizadas por membros do curso; (4) Aumentar a quantidade e melhorar a qualidade da produção científica do curso; (5) Promover o compartilhamento de conhecimentos sobre técnicas quantitativas de tomada de decisão entre os alunos membros e não membros do grupo.

· Mercado de Trabalho

Embora a formação dos alunos forneça condições para atuar em todo o território nacional, também há muitas oportunidades na região onde se encontra o UNIFEG. O engenheiro de produção pode atuar em: * Empresas privadas de petróleo, usinas de açúcar, empresas de telefonia, agroindústrias, indústrias de alimentos, bancos (parte operacional), seguradoras, fundos de pensão, indústrias de automóveis, eletrodomésticos, de equipamentos, etc. * Empresas de serviços, tais como empresas de transporte aéreo, transporte marítimo, construção, consultoria em qualidade, hospitais, consultoria em geral e cursos, etc. * Instituições e empresas públicas tais como: Correios, Petrobras, Agência Nacional de Energia, Agência Nacional de Petróleo, BNDEs, etc. * Bancos de investimento.

· Perfil do Profissional

A inserção profissional específica dos egressos do curso é focada nas organizações da região. O egresso está apto a trabalhar no desenvolvimento, melhoria, gestão e controle dos processos produtivos dos estabelecimentos dos diversos setores produtivos da região de Guaxupé, como: as confecções, produção de calçados, metalúrgicas, agronegócios, fios de cobre etc. Contratado no cargo de engenheiro de produção ou operações, o egresso deverá racionalizar o uso dos diversos recursos da empresa: material, humano, informação, equipamentos e energia. Sua atuação não deve ficar restrita à indústria, mas também na melhoria dos processos das organizações de serviço e primário. A Resolução nº 1010 de 22 de Agosto de 2005 dispõe sobre a regulamentação da atribuição de títulos profissionais, atividades, competências e caracterização do âmbito de atuação dos profissionais inseridos no Sistema Confea/Crea, incluindo o Engenheiro de Produção, para efeito de fiscalização do exercício profissional.